Pular para o conteúdo principal

Semeadura antecipada da soja é tendência

Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock





















A semeadura antecipada da soja é uma estratégia utilizada para reduzir a incidência de doenças e pragas no final do ciclo ou para semear o milho de segunda safra em sucessão à soja o mais cedo possível.
A janela ideal de plantio de soja na região do Mato Grosso, por exemplo, se dá no final de setembro, mês de outubro e primeira dezena de novembro (sendo a última já de risco de ferrugem e mosca-branca).
Quanto à semeadura antecipada, acontece entre o dia 15 de setembro, quando encerra o vazio sanitário, a início de outubro. Neste último caso, o produtor tem como vantagens: favorecer a janela de plantio de algodão, de milho safrinha ou outra cultura na segunda safra (girassol, sorgo), reduzir o risco de pressão de ferrugem e mosca-branca no final do ciclo na cultura da soja. Ainda, e não menos importante, alguns produtores alcançam melhores preços da soja no mês de janeiro.
 Paulo Sérgio de Asunção, engenheiro agrônomo e produtor rural - Crédito Arquivo pessoal
Paulo Sérgio de Asunção, engenheiro agrônomo e produtor rural – Crédito Arquivo pessoal




















Cuidados
Em primeiro lugar, ao se optar pela semeadura antecipada, o produtor deve efetuar um bom tratamento de sementes para protege-las de fungos de solos e pragas iniciais.
É imprescindível, ainda, ter atenção com a umidade ideal e suficiente para uma boa germinação, estar alerta às pragas iniciais que se encontram nos restos das coberturas (milhetos, cortadeiras, milhos tigueras, etc.).
De preferência, deve-se ter uma boa cobertura para reduzir a perda de água por evaporação e manter uma menor temperatura do solo, amenizando o problema com escaldadura (estrangulamento por alta temperatura no caule da planta na região em contato com o solo).
Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock






















Tendência
O semeio antecipado é uma tendência, pois, como dito, além de favorecer a janela de plantio da segunda safra, também diminui o risco com ferrugem e mosca-branca no final do ciclo da soja. Dado o problema de resistência dos grupos de fungicidas existentes no mercado, essa passa a ser uma ferramenta muito importante como estratégia de manejo da doença (principalmente ferrugem).
 Nas regiões produtoras do Mato Grosso, onde chove cedo, essa prática é muito utilizada.
Fique atento
O semeio antecipado não é recomendado em solos sem umidade ou com pouca umidade, sendo esse último pior ainda. Portanto, deve-se evitar o plantio em solos arenosos, onde o risco se torna bem maior em função da baixa capacidade de armazenamento de água desse tipo de solo, que seca muito rápido.
Para plantio nesse tipo de solo precisamos ter o regime de chuvas bem estabelecido e uma boa cobertura com palhada. Também nesse tipo de solos temos mais problemas com altas temperaturas (podendo chegar a 60ºC na superfície), causando escaldadura, ou seja, um estrangulamento do caule na base da planta em contato com o solo.
Por isso, o plantio mais tarde, após o estabelecimento do regime de chuva, deixa o solo com menor temperatura, diminuindo também a incidência desses problemas.
Mesmo em solos argilosos, principalmente naqueles sem cobertura de palhada, temos o risco de danificar a qualidade da semente (cozinhar) se logo após o plantio o regime de chuva não se estabelecer e a temperatura estiver muito alta. Isso acontece em função da maior evaporação e maiores temperaturas no solo, podendo desidratar a semente e apodrece-la.
Produtividade
A produtividade não estárelacionada apenas à data de plantio, mas também em função das características das cultivares utilizadas e clima (chuva, luminosidade) durante todo ciclo da cultura.
De maneira geral, temos obtido uma boa produtividade, mas lembro que alguns materiais não aceitam esse plantio muito cedo. Portanto, é preciso conhecer bem o comportamento de cada material que será plantado nessa época.
Em geral, os plantios do final são prejudicados pela pressão de pragas e doenças, pois nessa época as plantas sofrem com a migração de mosca-branca, esporos de ferrugem oriundos de lavouras mais novas e até mesmo da poeira levantada na colheitadeira destas áreas.

Postagens mais visitadas deste blog

Como é formado os solos

O solo é a fina camada de material que cobre a superfície da Terra e é formado a partir da desagregação das rochas.Ela é composta principalmente de partículas minerais, materiais orgânicos, água, ar e organismos vivos de todas as que interagem lentamente ainda constantemente. A maioria das plantas obtem os seus nutrientes do solo elas são a principal fonte de alimento para os seres humanos, animais e pássaros.Portanto, a maioria dos seres vivos na terra dependem do solo para a sua existência. O solo é um recurso valioso que precisa ser cuidadosamente gerido, uma vez que é facilmente degradado.Se entendermos o  solo e controlá-lo corretamente, vamos evitar a destruição de um dos blocos de construção essenciais de nosso meio ambiente e nossa segurança alimentar. Perfil do solo, mostrando as diferentes camadas ou horizontes. O perfil de soloComo solos desenvolveram ao longo do tempo, as camadas (ou horizontes) formam um perfil do solo. A maioria dos perfis de solo é composto por - solo e subs…

Conheça os 5 melhores aplicativos para uso na área Agronômica 2018

1º PlantNet: Um excelente App para identificação de plantas daninhas. https://play.google.com/store/apps
Pl@ntNet é uma aplicação de colecta, anotaçâo e pesquisa de imagens para auxiliar a identificar plantas.Ela integra um sistema de ajuda para a identificação automática de plantas a partir de fotos comparadas com as imagens de um banco de dados botânicos. Os resultados permitem encontrar o nome botânico de uma planta, se esta for suficientemente ilustrada na base de referência. Tanto o número de espécies processadas como o número de imagens utilizadas evoluem com as contribuições neste projeto.A aplicação não permite a identificação de plantas ornamentais ou de horticultura. Funciona ainda melhor se as imagens submetidas focalizarem um órgão ou uma parte bem determinada da planta. As fotos de folhas de árvores sobre um fundo uniforme fornecem os resultados mais relevantes. 2° Pasto Certo O Pasto Certo é um aplicativo para dispositivos móveis que permite o acesso, de forma rápida e integr…

5 Melhores Apps para uso na área Florestal

1- C7 Relação H/D 

O Aplicativo C7 Relação H/D – Relação Hipsométrica - opera com os dados de altura e diametro obtidos e registrados no aplicativo de levantamentos de dados I, e procede o ajuste a modelos de regressão  com cálculos de coeficientes da regressão e outros como coeficiente de determinação (R2), erro padrão da estimativa (Sxy).  Estão pré-definidos 12 modelos que comumente são utilizados em tais levantamentos.
      A partir da seleção de um modelo ajustado e com a inserção de dados de DAP, o programa calcula a estimativa de alturas de árvores localizadas na área amostral onde foi estabelecida a relação hipsométrica. https://play.google.com/store/apps/details?id=crcampeiro.florestal&feature=search_result
2-Aplicativo C7 LDFP

O Aplicativo C7 LDFP - Levantamentos de Dados I – Florestas Plantadas  possibilita:
a) Cadastro de Espécies Florestais Exóticas(Plantadas) b) Cadastro de Projetos de Levantamentos Florestais aplicados a:     - Inventário de Florestas Plantadas     - Cálc…