Demanda por fertilizantes no mundo deve chegar a 200 milhões de toneladas em 2021/22

 Crédito Shutterstock
Crédito Shutterstock
A demanda por fertilizantes no mundo deve chegar a quase 200 milhões de toneladas em 2021, segundo dados da Associação Internacional de Fertilizantes (IFA), o que significa um crescimento de cerca de 1,5% ao ano, a partir deste ano.
Atualmente, essa demanda está em torno de 182 milhões de toneladas. Os dados foram divulgados durante o 7º Congresso Brasileiro de Fertilizantes, promovido pela ANDA – Associação Nacional para a Difusão de Adubos.
Segundo Charlote Hebebrand, diretora geral da IFA, esse média percentual de crescimento representa uma queda em comparação a períodos similares. “Isso ocorre por alguns fatores, entre os quais a evolução tecnológica da indústria para produção dos fertilizantes, a aplicação mais eficiente por parte dos agricultores e uma reciclagem mais intensa, principalmente em países europeus”, disse.
Em termos de nutrientes, a entidade estima que o potássio terá um maior crescimento, com cerca de 2,1% ao ano, seguido pelo fosfato, com 1,5% e o nitrogênio, com 1,2%.
Em sua apresentação, Charlote ainda mostrou as regiões que terão mais influência nesse aumento da demanda no período, sendo a primeira a América Latina e o Caribe, seguida pelo Sul e Leste da Ásia e pela África. Já no quesito de crescimento percentual, a África deve liderar a expansão, com Europa Oriental e Ásia Central e América Latina e Caribe, na sequência. “O que faz a África e a América Latina estarem entre as principais regiões é a área plantável”.
Condição nacional
A diretora geral da IFA ressalta, no caso do Brasil, que ainda há a questão do crescimento constante da safra, de culturas como milho e da cana, e o posicionamento do País como um dos principais exportadores de diversas culturas do mundo. “A importância da agricultura brasileira não é apenas para alimentar o Brasil, mas todo o mundo”, explicou.
Neste sentido, Charlotte comentou o papel dos fertilizantes e da ANDA para alcançar esse objetivo. “A entidade tem desempenhado um trabalho excepcional para consenso entre todos os agentes da cadeia, desde a indústria, órgãos reguladores, agricultores e consumidores finais. Há ainda uma grande confusão sobre o que é um fertilizante e seu benefício para todos e a ANDA tem contribuído para mostrar os conceitos e as vantagens de sua utilização para a segurança alimentar, para a sustentabilidade do meio ambiente e para a produtividade”.
Para o Carlos Henrique Heredia, presidente do Conselho de Administração da ANDA, os fertilizantes têm sido protagonistas no desenvolvimento do agronegócio no Brasil. “Ao longo dos 50 anos de atividades, temos trabalhado para difundir o fertilizante e assegurar o conhecimento desse insumo tão importante para alcançar os resultados que temos hoje em termos de produtividade, sustentabilidade e segurança”, afirmou durante a abertura do 6º Congresso Brasileiro de Fertilizantes.
Fonte Campos e negócios
Share: