Pular para o conteúdo principal

A qualidade da madeira, a demanda do cliente e o manejo florestal

Crédito Painel Florestal
Crédito Painel Florestal








No Brasil a produção de madeira a partir de povoamentos de pinus segue dois regimes predominantes: Pulpwood – um ciclo de produção sem desbastes com cerca de 15 anos, ou Utilitywood – um ciclo de aproximadamente 20 anos com dois a três desbastes.
Estes regimes de manejo são baseados na máxima produção biológica de madeira e/ou máxima rentabilidade financeira, situação confortável para o produtor, mas que gera uma série de problemas na indústria, pelas características heterogêneas da madeira.
Qualidade da madeira x demanda x manejo
Os povoamentos de pinus no Brasil, com poucas exceções, são manejados segundo a máxima produção biológica, em detrimento da qualidade da madeira. Ou seja, a madeira destes povoamentos apresenta sérios problemas na secagem, baixa estabilidade dimensional das peças, presença de nodosidades, baixa resistência e rigidez mecânica.
Estas características levaram a certa rejeição por parte do consumidor à madeira de pinus, considerada de baixa qualidade. Como consequência, sua destinação foi direcionada a usos menos nobres, como caixas para hortifrutigranjeiros e formas de concreto para construção civil.
Para compensar esta baixa qualidade, os processos industriais de transformação tiveram que ser aprimorados para atender minimamente a demanda por madeira, mas a altos custos, uma vez que parte das peças (madeira com nodosidade, bolsas de resina, grã reversa) são descartados ou transformados em biomassa para energia.
Apesar desta evolução tecnológica industrial, certas demandas de madeira de melhor qualidade e capacidade estrutural não foram atendidas, elevando a pressão por madeiras nobres das zonas tropicais do País.
Segundo o conhecimento científico associado a técnicas de manejo florestal, é possível melhorar significativamente a qualidade e as propriedades físico-mecânicas da madeira de pinuspor meio de tratos culturais – determinação do espaçamento inicial de plantio segundo o objetivo da produção da madeira, controle integrado da mato-competição, adubação e tratos silviculturais- programas de podas e desbastes.
Portanto, o silvicultor, por meio de métodos silviculturais e procedimentos e técnicas de manejo florestal, pode produzir madeira com menos defeitos, com maior qualidade, elemento este sempre desejado e almejado pelo consumidor final.
A homogeneidade da madeira ocorre à medida que os anéis de crescimento têm uniformidade - Crédito Shutterstock
A homogeneidade da madeira ocorre à medida que os anéis de crescimento têm uniformidade – Crédito Shutterstock









Pulpwood e Utilitywood
O regime de manejo florestal Pulpwood tem como características o plantio mais adensado, sem poda, sem desbastes e rotação relativamente curta. A madeira produzida tem densidade mais alta do que os parâmetros médios da espécie, mas de baixa qualidade para uso em serraria, só indicada para processo (produção de celulose e chapas de fibras).
No regime de manejo florestal Utilitywood, a lotação inicial é menor, pode ter programa de podas ou não, assim como podem ou não ocorrer desbastes. Havendo podas e desbastes, este regime pode ser chamado Clearwood, uma vez que parte da madeira é livre de nós.
O quadro a seguir detalha melhor as diferenças dos regimes Utilitywoode Clearwood:
Regime de manejo
UtilitywoodClearwood
Toras de grandes diâmetrosToras de grandes diâmetros
Madeira para usos diversificadosMadeira para usos nobres
Sem programa de podasCom programa de podas
Madeira com nóMadeira sem nó
Defeitos na madeira causados pelo manejo florestalQualidade da madeira provocada pelo manejo florestal
Baixa qualidade da madeiraAlta qualidade a madeira
Menor valor agregado à madeiraMaior valor agregado à madeira
Estratégias de produção de madeira
Somente por meio do monitoramento contínuo do crescimento das árvores – inventário florestal contínuo – é possível determinar a idade onde ocorre a máxima produtividade e produção do povoamento.
O povoamento precisa ser periodicamente mensurado e as informações obtidas, analisadas tecnicamente para a determinação do período no qual devem ser feitos os desbastes, analisados os dados dos incrementos pós-desbastes, ou seja, em que idade deve ocorrer, qual o peso (número de árvores retiradas) e o turno (qual o período de tempo entre um desbaste e outro) mais adequados para alcançar o objetivo da produção da madeira.
Cada região onde ocorre o plantio do povoamento tem características diferenciadas de geomorfologia, fertilidade do solo, condições do clima (precipitação, temperaturas médias), topografia, latitude e altitude.
Ao conjunto destas características dá-se o nome de sítio. Em cada sítio a produtividade do povoamento é diferente, sendo necessária a avaliação do crescimento, pois não é tecnicamente indicado usar o mesmo procedimento de manejo florestal em diferentes condições de sítio e esperar os mesmos resultados.
FONTE revista campos e negócios Vitor Cezar Miessa Coelho
Engenheiro florestal, doutor, consultor, membro do Grupo de Pesquisa Ciência e Tecnologia da Madeira e Produtos Florestais/UFPR/CNPqe professor da ULT – União Latino Americana de Tecnologia

Postagens mais visitadas deste blog

Como é formado os solos

O solo é a fina camada de material que cobre a superfície da Terra e é formado a partir da desagregação das rochas.Ela é composta principalmente de partículas minerais, materiais orgânicos, água, ar e organismos vivos de todas as que interagem lentamente ainda constantemente. A maioria das plantas obtem os seus nutrientes do solo elas são a principal fonte de alimento para os seres humanos, animais e pássaros.Portanto, a maioria dos seres vivos na terra dependem do solo para a sua existência. O solo é um recurso valioso que precisa ser cuidadosamente gerido, uma vez que é facilmente degradado.Se entendermos o  solo e controlá-lo corretamente, vamos evitar a destruição de um dos blocos de construção essenciais de nosso meio ambiente e nossa segurança alimentar. Perfil do solo, mostrando as diferentes camadas ou horizontes. O perfil de soloComo solos desenvolveram ao longo do tempo, as camadas (ou horizontes) formam um perfil do solo. A maioria dos perfis de solo é composto por - solo e subs…

Conheça os 5 melhores aplicativos para uso na área Agronômica 2018

1º PlantNet: Um excelente App para identificação de plantas daninhas. https://play.google.com/store/apps
Pl@ntNet é uma aplicação de colecta, anotaçâo e pesquisa de imagens para auxiliar a identificar plantas.Ela integra um sistema de ajuda para a identificação automática de plantas a partir de fotos comparadas com as imagens de um banco de dados botânicos. Os resultados permitem encontrar o nome botânico de uma planta, se esta for suficientemente ilustrada na base de referência. Tanto o número de espécies processadas como o número de imagens utilizadas evoluem com as contribuições neste projeto.A aplicação não permite a identificação de plantas ornamentais ou de horticultura. Funciona ainda melhor se as imagens submetidas focalizarem um órgão ou uma parte bem determinada da planta. As fotos de folhas de árvores sobre um fundo uniforme fornecem os resultados mais relevantes. 2° Pasto Certo O Pasto Certo é um aplicativo para dispositivos móveis que permite o acesso, de forma rápida e integr…

5 Melhores Apps para uso na área Florestal

1- C7 Relação H/D 

O Aplicativo C7 Relação H/D – Relação Hipsométrica - opera com os dados de altura e diametro obtidos e registrados no aplicativo de levantamentos de dados I, e procede o ajuste a modelos de regressão  com cálculos de coeficientes da regressão e outros como coeficiente de determinação (R2), erro padrão da estimativa (Sxy).  Estão pré-definidos 12 modelos que comumente são utilizados em tais levantamentos.
      A partir da seleção de um modelo ajustado e com a inserção de dados de DAP, o programa calcula a estimativa de alturas de árvores localizadas na área amostral onde foi estabelecida a relação hipsométrica. https://play.google.com/store/apps/details?id=crcampeiro.florestal&feature=search_result
2-Aplicativo C7 LDFP

O Aplicativo C7 LDFP - Levantamentos de Dados I – Florestas Plantadas  possibilita:
a) Cadastro de Espécies Florestais Exóticas(Plantadas) b) Cadastro de Projetos de Levantamentos Florestais aplicados a:     - Inventário de Florestas Plantadas     - Cálc…