Artigo: A melhor época de adubação com NPK na Cultura do Milho

Novidades no manejo da adubação nitrogenada - Fotos Shutterstock

RESPOSTA DA CULTURA DO MILHO (Zea mays) A ÉPOCAS DE ADUBAÇÃO NPK E DOSES DE GESSO

Edleusa Pereira Seidel,João Vitor Fiore Dal Molin, Marcos Cesar Mottin 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Professora, Marechal Cândido Rondon - PR, edleusa.seidel@unioeste.br.

Palavras-chave: gessagem; alumínio em profundidade; antecipação de adubação.

O gesso agrícola é um subproduto da indústria de ácido fosfórico, contendo altas concentrações sulfato de cálcio e, baixas de fósforo e flúor. Os solos de regiões tropicais e subtropicais, normalmente são ácidos e apresentam altos teores de alumínio trocável. A acidez do solo é considerada um dos principais fatores que limita a produtividade das culturas no mundo. O uso de gesso agrícola pode aumentar a produtividade das culturas nesses tipos de solos, pois além de insolubilizar alumínio em profundidade e aumentar a disponibilidade de cálcio e o fornecimento de enxofre às culturas. 
O cálcio é o principal componente da parede celular das raízes, operando no alongamento e multiplicação celular (SILVA et al., 2013). O uso de fertilizantes que não contêm enxofre em sua composição tem intensificado a deficiência de enxofre no solo pode ser um fator limitante na produtividade das culturas e, a sua adição torna-se uma prática viável para melhorar a produtividade das culturas (RHEINHEIMER et al., 2005). Outro fator que contribui para a redução da produtividade, é o atraso durante a semeadura, devido a aplicação de fertilizantes. Isso implica em maior tempo e número de abastecimentos da semeadora, reduzindo sua capacidade operacional. Portanto, no sistema plantio direto, uma das alternativas para tornar mais rápida a operação de semeadura é a aplicação antecipada de fertilizantes. 
Desse modo, o trabalho teve como objetivo avaliar a produtividade do milho em resposta a utilização de diferentes doses de gesso, e a antecipação ou não da adubação de NPK. O experimento foi realizado na cidade de Campo Mourão – PR, em um LATOSSOLO VERMELHO Eutrófico típico (SANTOS et al., 2013). O delineamento experimental foi de blocos inteiramente casualizados, em esquema fatorial (4 x 2); com 4 repetições. O primeiro fator consistiu de 4 doses de gesso :0, 900, 1800, 2700 kg ha-1. O segundo fator consistiu de duas formas de aplicação de adubação de NPK: antecipada e junto a semeadura. Cada parcela apresentou 10 metros de comprimento e 1,8 metros de largura, totalizando 18 m2 . Antes da implantação do experimento a área estava cultivada com aveia. Após sua colheita a área foi dessecada utilizando o produto glifosato na dose de 3 L ha-1. A adubação antecipada e a gessagem foram realizadas à lanço, 21 dias antes da semeadura do milho. A adubação utilizada tanto na forma antecipada como em conjunto com a semeadura, foi o formulado 10-15-15 (N, P2 O5 , K2 O), na dose de 755 kg ha-1. A semeadura foi realizada manualmente utilizando o milho híbrido Pioneer 2530. O número de plantas por hectare foi de 66.000. 
Quando o milho atingiu o estádio V4 (quarta folha totalmente desenvolvida) foi feita uma aplicação de ureia em cobertura na dose de 138 kg ha-1. O controle de insetos pragas e de plantas daninhas, foram realizados conforme a necessidade da cultura. A avaliação da altura de planta e diâmetro de colmo foi realizada no estádio vegetativo VT (pendoamento).
 As avaliações de comprimento de espiga e diâmetro de colmo, foram feitas no momento da colheita, coletando 10 espigas aleatórias por parcela. A produtividade e o peso de 4 Livro RBMCSA - 19-11-16.indb 39 28/11/2016 11:49:19 40 SESSÃO: FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS 1.000 grãos da cultura foi avaliada colhendo manualmente as duas linhas centrais de cada parcela descartando um metro de cada extremidade. Os dados obtidos foram tabulados e submetidos à análise de variância considerando um nível de significância de 5 % para o teste F. Quando significativos, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5 % de probabilidade para as épocas de adubação e, análise de regressão para as doses de gesso, utilizando o software estatístico Sisvar. Na análise de variância não houve efeito da interação épocas de adubação e doses de gesso, mas houve efeito isolado das variáveis: altura de planta, diâmetro de espiga e produtividade. As plantas mais altas e o maior diâmetro de espiga foram obtidos com a adubação de NPK no momento da semeadura. 
A maior produtividade foi de 10.331 kg ha-1, e foi obtida com a adubação feita no momento da semeadura. Com a adubação antecipada, houve uma redução de 1.374 kg ha-1. Uma provável explicação para a redução da produtividade constatada nos tratamentos que receberam a adubação antecipada foi a perda dos nutrientes nitrogênio e potássio por lixiviação. De acordo com Resende et al. (2006), o cloreto de potássio (KCl), principal fonte de potássio utilizado na agricultura, é um sal altamente solúvel em água (58 % de solubilidade) e portanto, facilmente perdido. O nitrogênio também é um nutriente facilmente perdido por volatilização e lixiviação (BARBOSA FILHO et al., 2004). Cabe salientar que no sistema plantio direto, as cultivares de milho responde de maneira diferenciada à antecipação da adubação (BERTOLINI et al., 2008). No caso deste trabalho, o milho utilizado foi o Pionner 2530, ou seja, um híbrido simples que necessita de adubação em grande quantidade e de fácil disponibilidade. 
Não houve diferenças significativas para as variáveis: diâmetro do colmo, comprimento de espiga e peso de mil grãos para as doses de gesso agrícola e época de adubação. O aumento nas doses de gesso agrícola promoveu acréscimo apenas para a altura de planta. Uma provável justificativa da não obtenção de resposta a aplicação de diferentes doses de gesso para a produtividade do milho foi pelo fato de que o solo cultivado não apresentava alumínio tóxico e as quantidades de Ca e Mg na camada superficial do solo estavam adequadas para o cultivo de milho.
Outra provável causa da não significância dos resultados pode ter sido pela aplicação do gesso em superfície e sem a incorporação, ou seja, não houve tempo suficiente para que o gesso proporcionasse os benefícios de seu uso. Conclui-se que o sistema de plantio direto, a antecipação da adubação de NPK, em vinte e um dia diminuiu a produtividade da cultura do milho; bem como, afetou os componentes de produção: diâmetro do colmo e altura de plantas. A aplicação superficial de doses de gesso agrícola não afetou a produtividade de milho.

Fonte:XX RBMCSA REUNIÃO BRASILEIRA DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA
Share: