Pular para o conteúdo principal

A influência da qualidade do solo para a atividade agrícola

Foto: Dalízia Aguiar
Dalízia Aguiar - Autoridades conhecem a estrutura do solo em estande da Embrapa.
Autoridades conhecem a estrutura do solo em estande da Embrapa.
Um dos maiores patrimônios da agricultura é o solo e toda atenção a ele foi dada durante o primeiro painel de palestras que abriu as atividades técnicas do Showtec 2017 em Maracaju (MS). No espaço da Embrapa e parceiros, os participantes da feira lotaram o auditório para debater e trocar experiências sobre a qualidade do solo e sua estrutura e, ao final, perceber a campo as diferenças entre áreas em condições favoráveis e outras com histórico de degradação e em diversos sistemas de cultivo.
Palestrante no painel, a pesquisadora Michely Tomazi da Embrapa Agropecuária (Dourados-MS) afirma que muitas vezes o produtor não observa a parte física do solo pela ausência de ferramentas adequadas. "Geralmente cuidamos das características químicas, mas a qualidade estrutural leva em consideração elementos físicos, biológicos e químicos e a estrutura do solo é um dos atributos mais completos para avaliação da qualidade", enfatiza.
Em sua explanação, a agrônoma apresentou um método para diagnóstico rápido da estrutura a campo, que chegou para preencher essa lacuna de ferramentas de reconhecimento em larga escala. A técnica desenvolvida examina o formato e tamanho dos agregados, feições de compactação, sistema radicular e atividade da fauna do solo. A metodologia integra o projeto Solo Vivo, financiado pela Embrapa e Itaipu Nacional.
O manejo segundo a especialista é um componente que impacta diretamente no solo e sua estrutura. Tomazi explica que uma área bem manejada possui predomínio de agregados de 1 a 4 cm, atividade biológica intensa, raízes distribuídas em todas as direções, perfil sem divisão abrupta de camadas e ruptura com faces desuniformes. Por sua vez, um solo em más condições apresenta terra fina (pulverizado), torrões maiores que 7 cm, camadas endurecidas no perfil, ruptura com faces retas, raízes achatadas ou raras, mínima atividade biológica e divisão abrupta de camadas. 
"Se queremos um alicerce formado em cima, precisamos ter um bem formado embaixo", ratifica a pesquisadora ao ressaltar a importância de o produtor optar por sistemas de cultivo que utilizem rotação e consórcio de culturas e priorizem o manejo correto do solo, pois "tudo isso funcionando corretamente, a produtividade é certa". O fitopatologista da Embrapa, Guilherme Asmus, comunga da mesma recomendação, ao relatar que os resultados de experimentos com nematoides demonstram também que o sistema de rotação de culturas é o mais recomendável para o controle da doença.
Resultado de imagem para curso terra fertil
Curso Terra Fértil 
Nematoides - Também painelista no Showtec, Asmus reforça que o produtor rural ao realizar o manejo de nematoides tem que olhar o todo. "Não adianta fazer um manejo pontual. São muitos fatores envolvidos e precisam ser considerados. Tudo influencia a densidade populacional de nematoides. É um sistema complexo", frisa o nematologista.
Ele detalha que a população do parasita é influenciada pela temperatura e pH do solo, água livre, textura (argiloso e arenoso), volume de matéria orgânica, culturas de cobertura e susceptíveis, sistema de cultivo adotado e o dano dependerá dessa densidade populacional. "Não é por que há nematoide que ocorrerá um problema imediato, mas há sim um indicador futuro".
Em seus estudos em Mato Grosso do Sul, Asmus acompanha a densidade dos quatro principais grupos de nematoides do sistema agrícola – das galhas, das lesões radiculares, de cisto e reniforme e sua interação com as culturas da soja, milho, braquiária e outras. Áreas com soja (verão) e milho/braquiária (safrinha e consórcio) são adequadas para regiões com histórico de nematoides de cisto, reniforme e das galhas e altamente inadequadas para os de lesões radiculares, o mesmo acontece para o sistema de soja e milho solteiro. Por outro lado, sistemas de soja e forrageiras somente são susceptíveis a nematoides de cisto, reniforme e galhas.
"As condições do crescimento populacional são melhores durante a safra, então qual o melhor sistema?", indaga. A recomendação é ter uma cultura de ‘pousio' ou não hospedeira na entressafra para o controle de nematoide e no ano seguinte, na safra, uma hospedeira ou má hospedeira, se for possível, sugere a pesquisa. "Temos experiências positivas de rotação (não sucessão) de culturas de inverno e verão em sistema plantio direto e sistemas de integração lavoura-pecuária (ILP). A rotação é mais favorável que permitir um cultivo solteiro".
Na quinta-feira (19), o solo volta a ser tema no painel "Construção do solo para máxima produtividade" com os pesquisadores Elaine Lourente da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Júlio César Salton da Embrapa Agropecuária Oeste e Henrique Debiase da Embrapa Soja.
Parcerias e integração – Durante a abertura oficial de mais uma edição do Showtec (18), as autoridades destacaram que a relação dos produtores rurais com a comunidade científica seu fortaleceu a partir de parcerias como a formada pela Embrapa e Fundação MS, realizadora do evento. Para Luis Alberto Moraes Novaes, presidente da Fundação MS, as duas instituições construíram um ambiente colaborativo e de integração ao longo dos anos.
Um exemplo, de acordo com o chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, é o estande da Empresa que este ano abrigou toda a programação técnico-científica da feira tecnológica e ao lado da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de MS (Agraer) atende, em único local, os visitantes. "Somos um sistema integrado e se Mato Grosso do Sul hoje apresenta um ambiente mais favorável para o desenvolvimento sustentável no País é devido a esse ambiente institucional agregado e colaborativo".
Presente na abertura, o governador de Mato Grosso do Sul enfatizou que a integração e estabilidade institucional é importante para que ocorra o diálogo entre todos os segmentos, mais ainda em tempos de crise, e no agro isso é notável. Reinaldo Azambuja lembrou o quanto o agro brasileiro contribui com o PIB nacional e segundo ele isso é possível devido à adoção e expansão de novas tecnologias, tecnificação do campo e profissionalização das cadeias produtivas, resultado do entrosamento entre setores e cadeias produtivas.
Agora o esforço é intensificar com sustentabilidade afirmam os representantes. O conhecimento gerado pelas diversas organizações brasileiras exige um tratamento diferenciado e "o grande desafio é como tratar esse conhecimento, como modular os sistemas de produção adequadamente para avançar na produtividade com sustentabilidade?", fica a reflexão.
Os chefes-gerais da Embrapa Gado de Corte e Pantanal, Cleber Soares e Jorge Lara, respectivamente, além dos dirigentes do Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Sistema OCB/MS (Organização das Cooperativas Brasileiras) e Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), mantenedores institucionais da Fundação MS, estiveram na abertura oficial. Ainda políticos e representantes de sindicatos rurais, universidades, Sebrae/MS,  Senar/MS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), Fundect (Fundação de Apoio do Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul), Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul (CREA-MS), dentre outras entidades.

Postagens mais visitadas deste blog

Como é formado os solos

O solo é a fina camada de material que cobre a superfície da Terra e é formado a partir da desagregação das rochas.Ela é composta principalmente de partículas minerais, materiais orgânicos, água, ar e organismos vivos de todas as que interagem lentamente ainda constantemente. A maioria das plantas obtem os seus nutrientes do solo elas são a principal fonte de alimento para os seres humanos, animais e pássaros.Portanto, a maioria dos seres vivos na terra dependem do solo para a sua existência. O solo é um recurso valioso que precisa ser cuidadosamente gerido, uma vez que é facilmente degradado.Se entendermos o  solo e controlá-lo corretamente, vamos evitar a destruição de um dos blocos de construção essenciais de nosso meio ambiente e nossa segurança alimentar. Perfil do solo, mostrando as diferentes camadas ou horizontes. O perfil de soloComo solos desenvolveram ao longo do tempo, as camadas (ou horizontes) formam um perfil do solo. A maioria dos perfis de solo é composto por - solo e subs…

Conheça os 5 melhores aplicativos para uso na área Agronômica 2018

1º PlantNet: Um excelente App para identificação de plantas daninhas. https://play.google.com/store/apps
Pl@ntNet é uma aplicação de colecta, anotaçâo e pesquisa de imagens para auxiliar a identificar plantas.Ela integra um sistema de ajuda para a identificação automática de plantas a partir de fotos comparadas com as imagens de um banco de dados botânicos. Os resultados permitem encontrar o nome botânico de uma planta, se esta for suficientemente ilustrada na base de referência. Tanto o número de espécies processadas como o número de imagens utilizadas evoluem com as contribuições neste projeto.A aplicação não permite a identificação de plantas ornamentais ou de horticultura. Funciona ainda melhor se as imagens submetidas focalizarem um órgão ou uma parte bem determinada da planta. As fotos de folhas de árvores sobre um fundo uniforme fornecem os resultados mais relevantes. 2° Pasto Certo O Pasto Certo é um aplicativo para dispositivos móveis que permite o acesso, de forma rápida e integr…

5 Melhores Apps para uso na área Florestal

1- C7 Relação H/D 

O Aplicativo C7 Relação H/D – Relação Hipsométrica - opera com os dados de altura e diametro obtidos e registrados no aplicativo de levantamentos de dados I, e procede o ajuste a modelos de regressão  com cálculos de coeficientes da regressão e outros como coeficiente de determinação (R2), erro padrão da estimativa (Sxy).  Estão pré-definidos 12 modelos que comumente são utilizados em tais levantamentos.
      A partir da seleção de um modelo ajustado e com a inserção de dados de DAP, o programa calcula a estimativa de alturas de árvores localizadas na área amostral onde foi estabelecida a relação hipsométrica. https://play.google.com/store/apps/details?id=crcampeiro.florestal&feature=search_result
2-Aplicativo C7 LDFP

O Aplicativo C7 LDFP - Levantamentos de Dados I – Florestas Plantadas  possibilita:
a) Cadastro de Espécies Florestais Exóticas(Plantadas) b) Cadastro de Projetos de Levantamentos Florestais aplicados a:     - Inventário de Florestas Plantadas     - Cálc…